MUNDO DESCONHECIDO

Cientistas criam “fantasmas de laboratório”

Um grupo internacional de neurocientistas conseguiu descobrir e demonstrar os fundamentos técnicos de um fenômeno que atravessa épocas e culturas: a visão de fantasmas. O que eles fizeram foi provocar uma desordem momentânea no cérebro dos voluntários, criando uma discrepância entre suas sensações e percepções, até que os mesmos “sentissem” uma presença estranha.

Após ouvirem diversos relatos sobre presenças invisíveis, porém próximas, comuns a alpinistas, exploradores, pacientes psiquiátricos ou pessoas recém-separadas, os cientistas quiseram chegar ao cerne da questão – o esconderijo do fantasma. Dessa forma, descobriram que o fenômeno é produzido por uma integração defeituosa dos sinais senso-motores, aqueles que envolvem o tato, a posição do corpo e o movimento. Ao falhar a integração, é gerada a sensação de uma presença estranha. E as causas dessas falhas estão no cansaço, no medo e nas desordens neurológicas.

A criação do fantasma de laboratório foi tão eficaz que alguns voluntários, não informados sobre o objetivo do experimento, pediram que o teste fosse interrompido, por não suportarem a presença dos fantasmas – a sensação pode ser comum a todos, mas cada um a preenche com seu repertório pessoal de monstros.

Além da possibilidade de explicar um fenômeno tão misterioso, essa pesquisa poderá ajudar na compreensão dos sintomas de pacientes com esquizofrenia, que sofrem continuamente de alucinações intensas.

Assista abaixo o vídeo sobre esta intrigrante experiência:

Fonte e imagens: Minuto Uno, ABC e La Capital